SERMÕES



MINISTRAÇÕES MAIS VISTAS

 

Ministrações para edificação do corpo de cristo, você pode assistir, compartilhar com um amigo, usar para edificação pessoal, inteirar-se sobre a palavra para célula, é com carinho que disponibilizamos para você.





ESCOLHA UM DE NOSSOS MINISTRANTES


Polliana Ribeiro Gonçalves Chavier

1 Sermon

Pra. Leediere Bertilho M. Ribeiro

7 Sermons

Leediere Bertilho Martins Ribeiro

  • Tudo
  • Escatologia
  • Igreja Vidas para Cristo
  • Jovens e Adolescentes
  • Livros
  • Pr. Marcos V. Ribeiro
  • Pra. Leediere Bertilho Ribeiro
  • Sem categoria
  • Teologia

Nomes de Jesus Cristo na Bíblia

Jesus Cristo e onde você pode encontrá-los na Bíblia Jesus Cristo é o personagem principal da Bíblia Sagrada. Por mais que você não acredite em sua história, provavelmente deve conhecer um pouco a respeito desse homem que viveu aqui nesta Terra. A sua importância é tamanha que o nosso calendário é contado a partir de seu nascimento. Mas será que você conhece todos os títulos e nomes de Jesus Cristo? Na Bíblia, existem centenas de títulos conferidos ao salvador da humanidade. São nomes que representam a pureza, grandeza e magnitude dessa divindade. Neste texto do Ah Duvido, reunimos 320 títulos e nomes de Jesus Cristo para você entender a importância desse personagem para a história da humanidade. Nomes de Jesus Cristo Ministro dos circuncisos (Romanos 15:8) Conselheiro (Isaías 9:6) Maravilhoso (Isaías 9:6) Emanuel (Mateus 1:23-24), que traduzido, quer dizer ‘Deus conosco’ Pai eterno (Isaías 9:6) Deus poderoso Advogado – 1 Jo 2.1 Autor da Salvação – Hb 2.10 e 5.9 Autor e consumador da fé – Hb 12.2 Bom Pastor – Jo 10.11 Braço do Senhor – Is 51.9; 53.1 Cabeça da Igreja – Ef 1.22 Conselheiro – Is 9.6 Consolador de Israel – Lc 2.25 Cordeiro – Jo 1.29; Ap 13.8 Criador – Jo 1.3 Cristo de Deus – Lc 9.20 Deus – Jo 20.28; Rm 9.5 Deus Poderoso – Is 9.6 Eleito de Deus – Is 42.1 Emanuel – Is 7.14 Estrela da Manhã – Ap 22.16 Eu Sou – Jo 8.58 Filho Amado – Mc 1.11 Filho da Justiça – Ml 4.2 Filho de Davi – Mt 1.1 Filho de Deus – Mt 2.15 Filho de Deus Bendito – Mc 14.61 Filho do Altíssimo – Lc 1.32 Filho do Homem – Mt 8.20 Filho Unigênito – Jo 1.18 Glória do Senhor – Is 40.5 Guia – Mt…

Leia mais

Cansado de tentar agradar a todos?

Cansado  de tentar agradar as pessoas deste mundo?  Oh como o ser humano é mal, como somos maus. Que rancor é esse que não passa,que mentira é essa que lhe contam e mentem a respeito do seu próximo e você nem se preocupa em conhecer a versão dele. Quanta dor um ser humano causa na alma de outro. E não possuem coerência quando dizem amar a Deus e odiar o seu semelhante, e conseguem viver com ressentimentos, mágoas, desentendimentos, calúnias, difamações, pensamentos maus a respeito do outro. Eu sei, você dirá que não tem vocação para ser  Divino , ninguém tem . Um julgamento, um disse que me disse. Ah Senhor, como  suportar tanta crueldade,tanta maledicência e  falsidade. O coração chora, a alma se despedaça.  Tudo isso traz uma dor dilacerante na alma, não é mesmo? Mas  o que JESUS  ensinou não foi deixar a nossa Cruz, essa cruz que muitas vezes representa muito mais um peso, muito maior que podemos suportar. Uma Cruz que traz angústia,tristeza, dor na alma, dor de se sentir incapaz. Dor de amar  o inimigo, o falso, o mentiroso,  o hipócrita, o mascarado. Que na sua frente colocou máscara de bondade, mas que carrega em seu peito e em sua boca serpentes prontas a devorarem. Perdoar, perdoamos ,seguimos em frente, mas os sinais, as cicatrizes não somem.  Cristianismo é isso, é vocação para sofrer, suportar a dor de uma traição, de uma perda. Ele , Cristo, aguentou, suportou, não é somente um Deus que se rebaixou a ser homem, mas é um Deus passar por todas essas mazelas humanas ver e sentir na alma,na pele a dor da traição, de ser julgado, caluniado, comparado a mal feitores, a homens cheios de demônios. Crueldade, cruel a humanidade. Que não viu , não enxergou a sua bondade,seu…

Leia mais

O Dispensacionalismo no período Pré-Nicéia: Israel e a Igreja nos Pais Antenicenos [1]

Rudimentos do dispensacionalismo no período Pré-Nicéia: Israel e a Igreja nos Pais Antenicenos [1] Larry V. Crutchfield Bible Instructor, Baumholder Military Community,  Baumholder, West Germany A questão fundamental Uma das acusações comumente levantadas contra os dispensacionalistas é que sua doutrina é inteiramente nova, sem antecedentes históricos, antes do líder dos Irmãos de Plymouth, John Nelson Darby (1800-1882). “Nenhum escritor dispensacionalista”, declara Clarence B. Bass, “jamais conseguiu oferecer … um único ponto de continuidade entre o que hoje é conhecido como dispensacionalismo e a visão histórica pré-milenista”. [1] Não só é alegado que não há ponto de continuidade, mas como Millard J. Erickson afirma: “Nenhum traço dessa teologia pode ser encontrado no início da história da igreja”. [2] Entretanto, dispensacionalistas como Charles C. Ryrie e Arnold D. Ehlert sustentam que “características” ou conceitos rudimentares de teologia dispensacionalista eram mantidos pelos Pais da igreja primitiva e posteriormente por certos indivíduos após a Reforma. [3] Embora admitam prontamente que o dispensacionalismo moderno e sistematizado deve ser atribuído a Darby, [4] eles insistem, no entanto, que existem antecedentes históricos e teológicos para que esse sistema de teologia seja encontrado já no período patrística, especialmente antes do Concílio de Nicéia. 325 D.C. Isso não é sugerir que, no início da história da igreja, seus líderes eram dispensacionalistas no sentido moderno da palavra. Princípios de hermenêutica, por exemplo, foram aplicados de maneira inconsistente e a ciência da interpretação bíblica estava em um estado de fluxo ao longo desse período. Além disso, a doutrina da escatologia foi uma das últimas doutrinas a aparecer como um tópico para discussão teológica. [5] À luz da recente aparição da escatologia sistematizada, não é surpreendente encontrar confusão sobre o assunto na igreja primitiva. Contudo, muitos dos Pais estabelecem princípios que mais tarde evoluíram para o dispensacionalismo. Quatro características elementares do dispensacionalismo são encontradas na igreja primitiva: (1) o dia-ano, ou a…

Leia mais

DISPENSACIONALISMO, UMA HISTÓRIA DO DISPENSACIONALISMO

Por Thomas Ice É duvidoso que tenha havido outro círculo de homens [dispensacionalistas] que tenham feito mais com sua influência na pregação, ensino e escrita para promover o amor ao Estudo bíblico, um desejo ardente pela vida cristã mais profunda, uma paixão pelo evangelismo e zelo pelas missões na história do cristianismo americano.1– Crítico Dispensacionalista, George E. Ladd Certamente todos nós concordaremos que muitos homens de piedade e zelo destacados defenderam crenças dispensacionais. . . . as questões que são levantadas pelo dispensacionalismo são cruciais para a vida da Igreja e a compreensão das Escrituras.2—Anti-dispensacionalista, C. Norman Kraus Provavelmente nenhum pensador cristão nos últimos duzentos anos afetou tanto a forma pela qual os cristãos de língua inglesa vêem a fé, e ainda assim receberam tão pouco reconhecimento de sua contribuição, como John Nelson Darby.3—Anti-dispensationalista, J. Gordon Melton Dispensacionalismo é um sistema de teologia (não uma abordagem hermenêutica) que acredita que a Bíblia ensina que o único plano de Deus para a história é realizado através de Israel e a igreja com o propósito de Sua glorificação. Esta teologia surge de um uso consistente da hermenêutica histórico-gramatical, também conhecida como interpretação literal. Embora a salvação da humanidade seja de extrema importância, ela é realizada dentro do propósito mais amplo da glorificação de Deus, que é demonstrado através das várias administrações de arranjos dispensacionais da história e também abrange o reino angélico. Jesus Cristo é o herói da história, deixando o céu e humilhando-se como homem, ganhando a vitória na cruz, ressuscitando dos mortos, ascendendo ao céu, tomando sua noiva no arrebatamento, retornando triunfantemente para segunda vinda, e reinando por mil anos desde Jerusalém. O dispensacionalismo tradicional tenta sistematizar o ensino bíblico com o propósito de glorificar a Deus através de Jesus Cristo. A história é vista como uma progressão de eras em que…

Leia mais

A SEPTUAGÉSIMA SEMANA DE DANIEL

A SEPTUAGÉSIMA SEMANA DE DANIEL A grande multidão de judeus os “muitos” de Dn 9:27) fará uma aliança com o Império Romano revivido para buscar o que pensarão ser uma proteção das nações árabes vizinhas e da crescente pressão política no Oriente Médio. Confiarão no poder militar de Roma (a Besta) ao invés de confiarem no Senhor. Dn 9:27, Is 28:14-19, Is 8:9, I Ts 5:3, Sl 20:7. O remanescente fiel de judeus será aconselhado (provavelmente por meio da voz dos profetas entre eles) a não participar da aliança, mas a santificar o Senhor dos Exércitos em seus corações e confiar somente nEle. Is 8:11-13, Sl 20:7. A assinatura desse “concerto com a morte” e “aliança com o inferno”, entre os judeus e a Besta Romana, dará início à semana profética, das 70 Semanas de Daniel, então ainda por se cumprir.* Essa semana equivale a um período de sete anos. [ Nota: *Deve ser notado que esse período de sete anos da profecia não se inicia com o chamado da Igreja, conhecido como arrebatamento, mas com a aliança firmada. Haverá um curto período de tempo entre o arrebatamento da Igreja e o estabelecimento da aliança, talvez um período de dias ou semanas. Está claro que o Império Romano não pode fazer uma aliança com os judeus antes de existir. Isso requer que o Império seja antes restabelecido. Dn 9:27; Is 28:14-19. ] Haverá um período de sete anos de tribulação. Essa tribulação cairá sobre o mundo todo (Ap 3:10) mas principalmente sobre os judeus por rejeitarem seu Messias (Jr 30:7). Durante esse período Deus começará a tratar com a nação de Israel para introduzir nas bênçãos do Reino aqueles dentre eles que forem autênticos. O PRINCÍPIO DE DORES O período dos primeiros três anos e meio da semana profética é chamado de “princípio de dores” Mt 24:8. os judeus, ao retornarem...

Leia mais

O Arrebatamento

A Bendita Esperança O Senhor Jesus prometeu: “na casa de meu Pai há muitas moradas, se não fosse assim eu vo-lo teria dito: Vou preparar-vos lugar. E, se eu for, e vos preparar lugar, virei outra vez e vos levarei para que onde eu estiver estejais vós também.” Ele também afirmou: “Certamente cedo venho”. A esperança adequada ao cristão é aguardar o Senhor para qualquer momento. Há muitos indícios que nos levam a concluir que a vinda do Senhor está muito próxima. Cristãos em todo o mundo aguardam pelo Senhor. Esta é a “bendita esperança” do cristão. O Senhor pode vir ainda hoje! (Jo 14:2-3; Ap 22:20; Hb 10:37; Tt 2:13). O Arrebatamento Quando o Senhor Jesus vier, Ele “descerá do céu com alarido, e com voz de arcanjo, e com a trombeta de Deus”. Trata-se do arrebatamento (1Ts 4:15-18). O “alarido”, ou brado, é para acordar os que “morreram em Cristo”. Estes são os santos que dormem, uma classe especial de crentes redimidos durante o período em que a igreja esteve na terra. Mesmo que a morte tenha requisitado seus corpos, a referência a eles é feita como já estando “em Cristo”. O apóstolo Paulo usa a expressão em seus escritos para indicar o lugar individual de aceitação que os cristãos têm diante de Deus na nova criação e o vínculo inseparável que desfrutam pela habitação do Espírito Santo. Estar “em Cristo” significa estar no lugar que Cristo ocupa diante de Deus. A mesma posição que Cristo agora ocupa diante de Deus é o lugar que pertence ao cristão. Não é dito que os santos do Antigo Testamento estejam “em Cristo”, embora suas almas e espíritos estejam a salvo no céu. Na vinda do Senhor os “mortos em Cristo” ressuscitarão de suas sepulturas para encontrarem o Senhor nos ares. Esta é a...

Leia mais

Plano de Oração Diária.

Plano de Oração Diária. Igreja Vidas para Cristo. 2020 Ano do Crescimento. 1- Oração de agradecimento.   Salmos 150,  Colossenses 4:2, Filipenses 4:6 Agradecimento por servir a Deus. por tudo, família, ar que respiramos, pela grandeza de Deus. Agora, nosso Deus, damos-te graças, e louvamos o teu glorioso nome. 1 Crônicas 29:13 Vamos à presença dele com ações de graças; vamos aclamá-lo com cânticos de louvor. Salmos 95:2 Adoração. Lucas 4:8, Êxodo 34:14, João 4:24, Mateus 4:10, Salmos 29:2, João 4:21-23, Isaías 29:13, Apocalipse 4:11, Salmos 95:6, Êxodo 34:14, Deuteronômio 11:16,  Atos dos Apóstolos 7:42-43, Deuteronômio 32:16-18, Jó 1:20-21, Hebreus 12:28-29, Salmos 2:11, Apocalipse 14:7,  Salmos 63:3-4, Êxodo 15:11, Deuteronômio 10:21, 1 Crônicas 16:9, 1 Crônicas 16:34-36, Neemias 9:5, Salmos 7:17, Salmos 9:2, Salmos 22:22-23,  Gênesis 24:26, Filipenses 2:9-11    2- Oração missionária. Mt 9:38, Mateus 28:18-20,Isaías 61:1, Marcos 16:15, Lucas 10:1-2, Mateus 10:16, João 20:21, Atos dos Apóstolos 9:15, Romanos 10:13-15,  Marcos 3:14, Salmos 96:3 Oração pela paz de Israel. Salmos 122:6 Oração para Deus levantar trabalhadores, obreiros, missionários (e que esses ganhem milhares de vidas que não conhecem a Jesus), pastores, evangelistas, mestres, profetas e apóstolos na igreja Vidas para Cristo. Oração pelos cristãos perseguidos em todo mundo. Para que Deus levante missionários e trabalhadores para a obra dele; Oração pelas agências Missionárias, MCM, JOCUM, ETC. Oração pelos povos não alcançados, que possamos como Igreja Vidas para Cristo chegar a esses povos e anunciar o evangelho e plantar igrejas. Oração pelas povos não alcançados no Brasil, e lugares pobres e miseráveis da nação brasileira, que possamos como igreja vidas para Cristo chegar e anunciar o evangelho e plantar igrejas. Oração pelos pobres e também pelos ricos desse mundo para que sejam alcançados com o evangelho de Cristo. Oração pelas igrejas Brasileiras. Oração pela igreja em todo o mundo….

Leia mais

TEOLOGIA DO PACTO OU DISPENSAÇÕES

Prefácio O assunto “Dispensacionalismo versus Teologia do Pacto” foi inicialmente abordado pelo autor em uma série de palestras em Kirkland, Washington, em Março de 2012. Não foi possível na ocasião tratá-lo de forma tão ampla quanto se desejava, em razão de ter sido apresentado como palestras públicas. Esta publicação nos deu a oportunidade de expandir as observações apresentadas naquelas palestras e tratar o assunto de forma mais completa. Este livro apresenta o modo dispensacional de Deus e inclui uma exposição dos principais erros da Teologia do Pacto. A fim de apresentar a verdade de forma clara e simples, e expor aquilo que não está em conformidade com as Escrituras, o autor não tem qualquer intenção de humilhar cristãos que professem os erros da Teologia do Pacto. O desejo sincero do autor é que este livro sirva de “luz nas trevas” a todos aqueles que estejam verdadeiramente em busca da verdade (Sl 112:4). Nossa oração é que o leitor venha a obter um melhor entendimento do propósito de Deus em glorificar a Seu Filho nos céus e na terra. Gostaríamos de encorajar cada crente a considerar o fato de que o Senhor dá grande valor àqueles que estão dispostos a pagar um preço para professar e andar na verdade, e Ele irá recompensar adequadamente cada um naquele dia vindouro. “Eis que venho sem demora; guarda o que tens, para que ninguém tome a tua coroa” (Ap 3:11; 22:12). É com profundo amor e afeição por toda a Igreja de Deus e com o desejo de servir de ajuda a todos os cristãos que publicamos este livro. Que Deus possa abençoar ricamente Sua Palavra. Bruce Anstey Setembro de 2012 Introdução Teologia do Pacto ou Dispensações Qual a maneira correta de se interpretar as Escrituras? Quando o assunto são os princípios básicos de interpretação das Escrituras, o mundo cristão está…

Leia mais

ACONTECIMENTOS PROFÉTICOS – BRUCE ANSTEY

Um Esboço Cronológico da Profecia, do Arrebatamento ao Estado Eterno Título do original em Inglês: “Outline of Prophetic Events Chronologically Arranged From the Rapture to the Eternal State”, por Bruce Anstey, Vancouver, Canadá. Primeira Edição em Inglês – 1987 Segunda Edição em Inglês – 1991 (Edição Revista e Ampliada) Primeira Edição em Português – 1993 (Baseada na Segunda Edição em Inglês) Colaboraram na Revisão: Lineu A. Binotti, Elaine W. Binotti, Paulo R. J. Lenci, Cristina P. Geraldo, Luiz A. P. Amalfi e Cristóvão P. de Barros O Propósito da Profecia O grande propósito de Deus é o de glorificar a Seu Filho, o Senhor Jesus Cristo, em duas esferas: nos céus e na terra. Em um dia futuro Deus irá liderar, em Seu Filho, a administração de todas as coisas nestas duas esferas. Trata-se do “mistério da Sua vontade” que Deus propôs em Si mesmo antes da criação do mundo. ”…as riquezas da Sua graça; que Ele fez abundar para nós em toda a sabedoria e discernimento, fazendo-nos conhecido o mistério de Sua vontade, conforme o bom prazer que propôs a Si mesmo para a administração da plenitude dos tempos; de liderar todas as coisas no Cristo, as coisas nos céus e as coisas sobre a terra” (Ef 1:8-10 – Versão J. N. Darby) O Assunto da Profecia O assunto da profecia bíblica não é a igreja, e nem tampouco Israel e as nações gentias da terra, embora ambas serão abençoadas como resultado do cumprimento do propósito de Deus. O assunto da profecia é o Senhor Jesus Cristo. “O testemunho de Jesus é o espírito de profecia” (Ap 19:10). A profecia trata da terra, pois é o lugar que Deus escolheu para cumprir a Sua vontade concernente ao Seu Filho. Consequentemente, Israel e as nações (cuja porção e destino estão na terra)…

Leia mais

Os 36 dias de pureza sexual

Os 36 dias de pureza sexual Os “36 dias” foram criados na tentativa de auxiliar aqueles que decidiram viver a vida de forma pura, ou pelo menos da forma como Deus gostaria que vivêssemos a nossa sexualidade enquanto jovens, e enquanto cidadãos do mundo HOJE. Durante 36 dias vamos refletir a respeito disso.Te desafiamos a tentar, lutar contra as resistências carnais para que complete estes 36 dias. Se não conseguir, volte no início, comece outra vez.São meditações simples, aparentemente fáceis. Cada dia um novo estudo, reflita neles! Acompanhe com sua Bíblia, pois apesar de sua simplicidade, você se sentirá confrontado tendo que responder algumas perguntas. Não desista, vá em frente! Saiba que terá pessoas orando por sua vida!No final, não deixe de nos contar como foi sua experiência durante estes dias. Nos envie um e-mail para fujacrente@msn.comGl. 6:8“Porque o que semeia para a sua própria carne da carne colherá corrupção; mas o que semeia para o Espírito do Espírito colherá vida eterna.”Tg 1:14,15“Ao contrário, cada um é tentado pela sua própria cobiça, quando esta o atrai e seduz. Então, a cobiça, depois de haver concebido, dá à luz o pecado; e o pecado, uma vez consumado, gera a morte.”Onde tudo começa...PornografiaSexo promíscuoViciado em sexoMasturbação Fonte: Pure Life / XXXchurch  Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons. As imagens são Creative Commons, não vendemos, não geramos lucros sobre nenhum conteúdo deste site. Compartilhamos pela mesma Licença. Se você alterar, transformar, ou criar outra obra com base nesta, você somente poderá distribuir a obra resultante sob uma licença idêntica a esta. Se você é responsável por algum conteúdo mande-nos um e-mail para que possamos dar crédito ao autor original, da forma especificada pelo autor ou licenciante. DIA 1 –O MEU PROPÓSITO DIA 2 –AMOR AO ERRO DIA 3 –OLHAR NO ESPELHO...

Leia mais

WhatsApp chat