A SEPTUAGÉSIMA SEMANA DE DANIEL

A SEPTUAGÉSIMA SEMANA DE DANIEL

A grande multidão de judeus os “muitos” de Dn 9:27) fará uma aliança com o Império Romano revivido para buscar o que pensarão ser uma proteção das nações árabes vizinhas e da crescente pressão política no Oriente Médio. Confiarão no poder militar de Roma (a Besta) ao invés de confiarem no Senhor. Dn 9:27, Is 28:14-19, Is 8:9, I Ts 5:3, Sl 20:7. O remanescente fiel de judeus será aconselhado (provavelmente por meio da voz dos profetas entre eles) a não participar da aliança, mas a santificar o Senhor dos Exércitos em seus corações e confiar somente nEle. Is 8:11-13, Sl 20:7. A assinatura desse “concerto com a morte” e “aliança com o inferno”, entre os judeus e a Besta Romana, dará início à semana profética, das 70 Semanas de Daniel, então ainda por se cumprir.* Essa semana equivale a um período de sete anos. [ Nota: *Deve ser notado que esse período de sete anos da profecia não se inicia com o chamado da Igreja, conhecido como arrebatamento, mas com a aliança firmada. Haverá um curto período de tempo entre o arrebatamento da Igreja e o estabelecimento da aliança, talvez um período de dias ou semanas. Está claro que o Império Romano não pode fazer uma aliança com os judeus antes de existir. Isso requer que o Império seja antes restabelecido. Dn 9:27; Is 28:14-19. ] Haverá um período de sete anos de tribulação. Essa tribulação cairá sobre o mundo todo (Ap 3:10) mas principalmente sobre os judeus por rejeitarem seu Messias (Jr 30:7). Durante esse período Deus começará a tratar com a nação de Israel para introduzir nas bênçãos do Reino aqueles dentre eles que forem autênticos.

O PRINCÍPIO DE DORES

O período dos primeiros três anos e meio da semana profética é chamado de “princípio de dores” Mt 24:8. os judeus, ao retornarem à sua terra natal, trarão o que há de melhor no mundo, obtido por seu sucesso comercial. A terra de Israel ficará cheia de ouro, prata e tesouros sem fim. Gn 31:17,18; Is 2:7,8; Sl 73:3-12. os judeus apóstatas terão um templo na terra. Oferecerão sacrifícios, guardarão os sábados e festas apenas como uma tradição. Mt 24:15; 2Ts 2:4; Sl 42:4; Dn 9:27, 12:11; Is 1:10-15; Sl 1-41 (Primeiro Livro dos Salmos); Sl 42.* A grande multidão de judeus apóstatas será levada a adorar sem ter qualquer tipo de pensamento voltado para Deus. “Aquele que sacrifica uma ovelha será como o que degola um cachorro.” Seus caminhos diante do Senhor serão uma abominação. Is 1:10-15, 66:3,4. os primeiros procedimentos do Senhor para com o mundo durante o período da tribulação terão um caráter providencial (isto é, terremotos, fome, pestes, etc.) Tais procedimentos são chamados selos de juízo. Ap 6:1-17; Mt 24:6,7. Não muito depois de os judeus haverem retornado à terra de Israel, as condições no Oriente Médio, Europa Ocidental e provavelmente na América (a terra profética) se tornarão intranquilas. Haverá conflitos em todos os aspectos da vida. A violência e o derramamento de sangue serão abundantes. A paz civil será extirpada da terra. Ap 6:3,4 (Segundo selo). Guerras e rumores de guerras encherão o ar. Mt 24:6,7. À medida que forem transcorrendo os primeiros três anos e meio, a agricultura começará a fracassar, seguindo-se a fome generalizada. Dores e aflições se multiplicarão. Ap 6:5,6 (Terceiro selo). Mt 24:7. A privilegiada classe alta não será afetada inicialmente pela carestia. Muitos desses serão judeus que terão acumulado para si grandes fortunas. A classe trabalhadora, porém, sofrerá severamente. Ap 6:6. A peste irá se alastrar pela Europa Ocidental (“a quarta parte da terra”). A morte virá em seguida. Ap 6:7,8 (Quarto selo). Mt 24:7. Conforme o cenário vai se tornando mais tenebroso, o corrupto sistema religioso de Roma, com seu poder totalitário sobre o Império, começará a martirizar as testemunhas judias que estarão pregando o evangelho do Reino. O evangelho do Reino são as novas da vinda do Messias que subjugará todo domínio e estabelecerá Seu trono em Sião (Jerusalém), de onde julgará o mundo. Roma tratará essas testemunhas como revolucionários que buscam minar seu controle por meio da propagação de doutrinas acerca de um outro governo vindouro. Como resultado, muitas dessas fiéis testemunhas judias serão condenadas à morte por causa da Palavra de Deus e do testemunho que levarão. Ap 6:9-11, (Quinto selo) Mt 24:9, 1 Rs 19:1-3. À medida que for chegando a metade da semana, haverá guerra no céu. Miguel (o arcanjo) e seus anjos vencerão Satanás e seus anjos, expulsando-os do céu e lançando-os na terra. Satanás, sabendo que dispõe de pouco tempo, empregará toda a sua energia para arrastar o mundo após si. Ap 12:7-12. os céus regozijar-se-ão quando Satanás for lançado fora. Ver-se-ão livres da presença do mal. Desse momento em diante a esfera de ação de Satanás ficará restrita à terra. Ap 12:12. Compare Jó 15:15; Ef 2:2; 6:18. Ao ser expulso do céu, Satanás causará uma grande convulsão no mundo, principalmente no ocidente. Ele entrará na arena política causando uma revolta geral. Haverá um colapso completo da ordem da autoridade civil e governamental. O governo do ocidente, sob a liderança da meretriz (a falsa igreja) se tornará caótico, resultando em desordem e anarquia. Ap 6:12-17 (Sexto selo). Isso semeará o terror nos corações dos habitantes da terra, enquanto assistem ao desmoronamento do sistema (ou seja, das repartições governamentais, negócios, organizações, etc.). Haverá “pânico dentre as nações em perplexidade, homens desmaiando em seus corações por causa do medo”, ao começarem a perceber o trovejar do juízo vindouro. Ap 6:15-17, Lc 21:25,26.

A METADE DA SEMANA

Satanás, necessitando de agentes para cumprir seu propósito, levantará um homem em meio ao confuso estado de coisas que ele criou no ocidente. Esse homem é o “chifre pequeno” (Dn 7:8,20,24,25). Trata-se da “Besta” em pessoa. (Ap 13:1-8, 17:10-18, 19:20), o “Rei de Babilônia” (Is 14:4). Esse homem será também um gentio, pois a Besta vem do mar (Ap 13:1, 17:15 – a inquieta situação dos povos gentios), e de entre os dez chifres que são as nações gentias da Europa Ocidental (Dn 7:8, 20, 24,25). Satanás investirá esse homem, “o chifre pequeno”, de extremo poder. Ele estará plenamente apto a ser um elo de ligação com Satanás. Ap 13:4. Mediante o seu poder, Satanás controlará também os líderes governamentais (“estrelas”) do ocidente. Ap 12:4. O “chifre pequeno”, com a ajuda do poder satânico, dominará rapidamente o Império Romano revivido e se tornará, como um ditador, a cabeça do Império. Parece que ele irá ganhar o controle do império por meio de intimidação. Após derrubar três dos dez chifres (as dez nações), os outros se submeterão dando a ele o seu poder. Dn 7:8,20, 24,25. Ap 17:13,17. Imediatamente após isso, a Besta (a Confederação das dez nações), tendo o chifre pequeno por cabeça, irá destituir e destruir a meretriz (a falsa igreja), o sistema religioso que esteve controlando o Império durante os primeiros três anos e meio. É disso que nos fala o Apocalipse quando anuncia que a “Babilônia é caída”. A Babilônia política destrói a liderança religiosa do Império. Ap 14:8, 17:16, 18:2. Havendo derrubado o sistema religioso, o Império assumirá uma nova e diferente forma, passando a ser satanicamente controlado pelo “chifre pequeno”.* A Besta irá continuar nessa forma por quarenta e dois meses (ou os últimos três anos e meio). Ap 13:2-8. [ Nota: *Antes disso a Besta (a Confederação das dez nações) foi vista subindo do mar (Ap 13:1), mas agora é vista como subindo do abismo (Ap 17:8), o que implica um controle satânico. ] Todo o mundo se maravilhará diante da Besta (a Confederação Ocidental das dez nações) em sua nova forma. Ap 13:3, 17:8. Por volta dessa época um outro homem se levantará na terra de Israel, o qual será movido pela energia de Satanás (2Ts 2:9). Ele será um israelita, talvez da tribo de Dã (Dn 11:37, Gn 49:16,17, omitida também em Ap 7). Ele irá agir em conjunto com a primeira Besta, o “chifre pequeno”, e será como o seu Primeiro Ministro. Ele é o “Anticristo” (1 Jo 2:18), também conhecido como o “Rei” (Dn 11:36, Is 8:21, 30:33, 57:9), “o Homem do Pecado” (2 Ts 2:3), “o Filho da Perdição” (2 Ts 2:3), “o Iníquo” (2 Ts 2:8) (ou “Ilícito” cf. trad. literal), a “Estrela Caída” (Ap 9:1), “a Segunda Besta” (Ap 13:11-18), “o Falso Profeta” (Ap 16:13, 19:20, 20:10), “o Pastor Inútil” (Zc 11:15-17, Sl 14:1, Sl 53:1), “o Homem Sanguinário e Fraudulento” (Sl 5:6, etc.), “o Príncipe Profano e Ímpio de Israel” (Ez 21:25), e “o Príncipe de Tiro” (Ez 28:2). O Salmo 10 dá a descrição do caráter moral desse homem de pecado*. [ Nota: *O Anticristo é também tipificado pelas seguintes pessoas: Abimeleque (Jz 9); Saul (1 Sm 8-31); Absalão (2 Sm 15-19); Acabe (1 Rs 16-18); Acaz (2 Rs 16); Sebna (Is 22); Zedequias (Jr 39 e 52); o Mercenário (Jo 10:10-13); Hamã (Et 3-7); Herodes (Mt 2). ] Esse homem de pecado (o Anticristo) se apresentará aos judeus como seu Messias, e eles o receberão e farão dele o seu rei. Ele reinará sobre a terra de Israel. Jo 5:43, Dn 11:36-39, 2 Sm 15:2-6,11. O Anticristo estabelecerá o seu trono de governo em Jerusalém, e irá promover seus corruptos lacaios e admiradores para que ocupem posições de governo sobre a terra de Israel. Jerusalém será totalmente entregue a toda a sorte de iniquidade. Is 1:21-23, Dn 11:39, Is 28:14, 1 Sm 22:7,8. A descrição moral dos judeus apóstatas que seguirão o Anticristo pode ser vista nas seguintes passagens: Sl 14; 35-36; 73:3-12; Is 58, 59. A Besta, com a ajuda do Anticristo, irá romper a aliança com os judeus. Eles abolirão toda atividade religiosa em seus domínios (a parte ocidental da terra, inclusive Israel), fazendo cessar a falsa adoração de Israel e da corrupta cristandade. O objetivo é abrir caminho para a adoração da Besta e da sua imagem. Dn 9:27; Ap 17:16; Sl 55:20. Uma imagem idólatra da Besta será colocada, pelo Anticristo, no templo em Jerusalém. Trata-se da “abominação da desolação”. Ele proclamará um edito por todo o Império para que a imagem seja adorada. A idolatria será imposta aos judeus em Israel. Essa adoração idólatra será também imposta aos adoradores terrenos da cristandade apóstata, que ouviram e recusaram o evangelho da graça de Deus durante a era cristã. Dn 3:1-7; 9:27; 12:11; Mt 24:15; Ap 13:12-15; 2 Rs 16:10-18. A Besta e o Anticristo tomarão então o total controle da terra de Israel. Irão mantê-la cativa, como pertencente ao seu Império, pelos últimos três anos e meio. Tudo na terra de Israel ficará sujeito a eles. Ap 11:2; Lc 21:24; Êx 3-12).* [ Nota: *A Babilônia da antiguidade manteve os judeus em cativeiro há muito tempo atrás, mas os judeus irão uma vez mais ser cativos da Babilônia os Poderes Ocidentais) por intermédio da Besta e do Anticristo, e necessitarão de livramento. A libertação dos judeus de outrora chegou com a vinda de Ciro, o Rei da Pérsia, (chamado de escolhido do Senhor – Is 45-48:20), que derrotou os babilônios. Ciro é um tipo do Senhor Jesus, que aparecerá no final da tribulação para destruir a Besta e o Anticristo, dando ao remanescente fiel o livramento. Após Ciro haver libertado os judeus, deu ordem para que reconstruíssem o templo em Jerusalém e restabelecessem a adoração a Deus (Ed 1:1-11; Is 45:13) o que o Senhor também irá fazer Ezequiel 40-48). ] Uma vez que todo o conhecimento de Deus será abolido dos domínios da Besta e do Anticristo, haverá uma fome pela Palavra de Deus. O povo irá buscar a Palavra do Senhor e não a encontrará. Am 8:11,12. Deus enviará um forte engano sobre a terra. O Anticristo, por meio de suas maravilhas e sinais de mentira, enganará a culpada multidão apóstata de adoradores terrenos tanto da cristandade como de Israel, isto é, aqueles que rejeitaram conscientemente o evangelho da graça de Deus que é pregado hoje durante o período da Igreja. Eles crerão na mentira do Anticristo e adorarão a Besta e a sua imagem, selando sua sentença. Ap 13:11-15; 2Ts 2:9-12. Além disso, o Anticristo irá fazer com que todos na terra ocidental (cristandade) e na terra de Israel recebam a marca da Besta tanto na testa como na mão direita. Sem essa marca as pessoas não poderão comprar ou vender. Ap 13:16-18. O remanescente judeu fiel e quaisquer gentios que crerem no evangelho do Reino se recusarão, por motivo de consciência, a adorar a imagem da Besta e receber a sua marca. Isso atrairá a amarga ira da Besta e do Anticristo que juntos promoverão uma terrível perseguição, tal qual o mundo jamais conheceu. Farão guerra contra os santos e vencerão a muitos. Ap 12:6,13-17; 13:7,13; Dn 3:1-25; 7:21; Mt 10:16-23; 24:21,22; Mc 13:19; Mq 7:2.

A GRANDE TRIBULAÇÃO

A terrível perseguição causada pela Besta e pelo Anticristo precipita a “grande tribulação” que continuará pelo período de 1260 dias (18 dias menos que os últimos três anos e meio. Três anos e meio são 1278 dias), também chamado de “tempo de tribulação”.#2# Mt 24:21-22; Jr 30:7; Dn 12:1; Ap 12:6; Tg 5:17;  Ap 8-11:18 (Sétimo Selo). A perseguição durante a grande tribulação será tão severa que as pessoas hesitarão em contar seus pensamentos até mesmo às esposas ou membros de sua própria família, por medo de serem denunciadas às autoridades. O amigo mais íntimo não será confiável. Jr 9:4,5; Mq 7:2,5-6; Mt 10:21-23. Em razão da cidade de Jerusalém e a terra de Israel terem sido entregues à ímpia idolatria que o Anticristo irá introduzir, e devido à perseguição que irá se levantar, o remanescente judeu fiel será forçado a fugir para as montanhas, cavernas e fendas da terra em busca de segurança. Eles serão caçados desmedidamente. Is 66:5; Sl 42-72 (Segundo Livro de Salmos); Mt 24:16-21; 1 Sm 19-27; 2 Sm 15:13-17:29; Jr 36:26; Ap 12:6,14,15. Parte do remanescente fugirá para as montanhas da Judéia em busca de abrigo. Mt 24:16. Outros, do remanescente, fugirão para o oriente da terra da Judéia, para a terra de Moabe (talvez a atual Jordânia), e também para o norte, à altura do monte Hermom no Líbano. Is 16:3,4; 1 Sm 22:3,4; Sl 42:6; Sl 44:11; 61:2. Embora a maior parte do remanescente irá fugir, parece que alguns permanecerão em Jerusalém. Deus os usará para manter um testemunho adequado para Si naquele local, diante da idolatria (representados pelas “duas testemunhas”). Eles serão protegidos milagrosamente por Deus até que se complete o período de seu testemunho que é de 1260 dias. Ap 11:3-13. Embora muitos santos sejam divinamente protegidos, o martírio será abundante.* Sl 12; Jo 16:2; Ap 13:7; Dn 7:21; Is 57:1,2; Mq 7:2. [ Nota: *Haverá duas classes de santos que crerão no evangelho do Reino durante os sete anos. Uma porção preservada (Ap 7:1-17, 14:1-5) irá sair da tribulação para desfrutar o Milênio sobre a terra. A outra classe será constituída pela porção martirizada que incluirá aqueles que morrerão nos primeiros três anos e meio sob o reinado da mulher – a falsa igreja (Ap 6:9-11) – e também os que morrerão nos últimos três anos e meio sob a perseguição da Besta e do Anticristo (Ap 15:2-4). A porção dos martirizados será ressuscitada mais tarde e vista reinando sobre a terra, juntamente com Cristo, durante o Milênio (Ap 20:4). ] Não choverá na terra de Israel durante a grande tribulação (últimos três anos e meio). Ap 11:6; 1 Rs 17:1; Tg 5:17; Dt 11:16,17. À medida que transcorre a grande tribulação, a prosperidade que o mundo ocidental conheceu irá minguar.* os ricos que não foram afetados pela carestia nos primeiros três anos e meio sentirão agora as agruras da fome que se alastrará por todo o mundo ocidental. Ap 8:7 (Primeira Trombeta). [ Nota: *A “terça parte” que aparece doze vezes em Apocalipse 8, em conexão com os julgamentos das trombetas, refere-se a uma área restrita da terra. Trata-se da porção Romana do mundo ocidental – a esfera onde a Besta e o Anticristo exercerão sua autoridade – Israel, Europa Ocidental e provavelmente América. ] Por volta dessa época um grande poder político no ocidente (uma “grande montanha” nas Escrituras simboliza um poder há muito estabelecido, cf. Jr 51:25) abandonará todo o conhecimento de Deus. Isso talvez se refira aos Estados Unidos da América ou a algum outro governo de proeminência no ocidente. Como resultado muitos serão levados à apostasia. Ap 8:8 (Segunda Trombeta). Também nessa época o comércio será destruído no mundo ocidental. Toda a economia entrará em colapso (“e perdeu-se a terça parte das naus”). Ap 8:9. Então uma grande personalidade (a grande estrela chamada “absinto”) cairá de sua elevada posição de influência, levando as multidões do ocidente à apostasia. Não se sabe quem será essa pessoa. Ap 8:10,11 (Terceira Trombeta). Depois disso, muitos outros líderes influentes no ocidente cairão, levando todas as pessoas que restarem à apostasia e adoração da Besta. O resultado disso será um dilúvio de trevas morais e espirituais em larga escala. Ap 8:12 (Quarta Trombeta). O Anticristo (“a estrela caída”)*, o falso Messias judeu, irá se apresentar em seu pleno caráter satânico. Ele liberará do abismo um satânico e cegante engano que lançará sobre os ímpios judeus apóstatas que o escolheram para seu próprio embaraço. Sua missão dessa vez será levar todo e qualquer judeu remanescente na terra à completa apostasia. O tormento de uma consciência culpada (a picada do escorpião) será a aflição de todos os que ele enganar. Ap 9:1-12 (Quinta Trombeta). [ Nota: *Provavelmente não se trata da mesma pessoa da grande estrela em Ap 8:10,11) ] O Anticristo exaltará e magnificará a si mesmo acima de tudo aquilo que é de Deus. Ele se sentará no templo apresentando-se como Deus, fazendo de si mesmo objeto de adoração. Dn 11:36; 2Ts 2:3,4. A idolatria e a adoração à Besta e ao Anticristo serão praticadas abertamente. As terras de Israel e da cristandade, que outrora foram iluminadas, serão entregues à adoração demoníaca. O último estado dos judeus comprometidos nessa adoração idólatra será sete vezes pior do que quando acolheram a idolatria no tempo dos reis do Antigo Testamento. Mt 12:43-45; Ap 13:4; 2Ts 2:3,4. Falsos cristos e falsos profetas se levantarão na terra de Israel mostrando sinais e maravilhas e enganarão a muitos. Mt 24:23-26. Por volta dessa época Deus irá derramar sobre a terra as sete últimas pragas (as sete salvas ou taças de ouro – Ap 15:7). Esses juízos são de alcance mais amplo do que os juízos das trombetas (Ap 8-9), os quais estavam limitados ao mundo ocidental. Os juízos das taças serão lançados mais especificamente sobre os pagãos nas nações em redor.* Parece que essas últimas pragas endurecerão, de uma forma governamental, os homens que rejeitaram a Deus, preparando-os para ser agentes voluntários do recrutamento de Satanás para o holocausto vindouro. Ap 15-16; Sl 79:6,12. [ Nota: *Repare que essas taças ou cálices são derramados sobre “a terra”, “os homens”, “o mar”, “os rios”, “o sol”, etc., não “na terça parte da terra”, “na terça parte dos homens”, na “terça parte dos mares”, na “terça parte dos rios”, na “terça parte do sol” como nos juízos das trombetas, mostrando que a esfera onde as taças são derramadas é muito mais ampla e não está restrita ao território da Roma Ocidental. ] Qualquer seguidor individual da Besta nas nações distantes, para além da terra Romana Ocidental, que tenha recebido voluntariamente sua marca e adorado a sua imagem, será afligido por uma terrível chaga. A horrível ferida será a atroz aflição de uma consciência culpada. Isso resultará numa condição de miséria e inquietação mental. Ap 16:2 (Primeira Taça). Aqueles que, nas nações distantes, não crerem no evangelho do reino (Mt 24:14) apostatarão de qualquer luz que tenham recebido de Deus – talvez como uma tentativa de escapar aos tormentos de sua consciência culpada. Ap 16:3 (Segunda Taça). As alegrias naturais e o bem-estar da vida serão tirados daqueles que estiverem nas nações distantes. É a retribuição de Deus por perseguirem os Seus santos que foram por todo o mundo pregando o evangelho do Reino (Mt 24:14). Eles serão obrigados a beber o amargor da sua própria apostasia. A vida será marcada por miséria e frustração. Ap 16:4-7 (Terceira Taça). Uma grande autoridade governamental (sob o símbolo do “sol”) dentre as nações distantes será a causa de uma aterradora opressão sobre os homens. Talvez seja algo proveniente de Gogue (Rússia), fechando suas garras sobre os seus súditos. Os homens ficarão ainda mais endurecidos contra Deus. Ap 16:8,9 (Quarta Taça). As trevas (morais e espirituais) se alastrarão sobre os súditos do reino da Besta (o mundo ocidental). Isso provavelmente se refira a uma terrível sensação do abandono de Deus que tomará posse deles. É provável que também fiquem endurecidos contra Deus. Ap 16:10,11 (Quinta Taça). Estando os homens e mulheres, tanto das nações distantes (Quarta Taça) como do mundo ocidental (Quinta Taça) endurecidos contra Deus, o palco estará armado para os homens serem usados como instrumentos voluntários de Satanás na guerra que virá, quando este os colocar em ordem de batalha contra seu próprio Criador. Ap 16:13,14; 19:19. Embora as multidões, tanto no ocidente como nas nações distantes, venham a se endurecer contra Deus, haverá uma grande multidão que se voltará a Deus e crerá no Evangelho do Reino.* Ap 7:9-17. [ Nota: *A eternidade será pregada (Ap 14:6,7) como uma última chamada a Israel (Sl 95) e às nações (Sl 96) antes que o Senhor surja em juízo (Sl 97). ] À medida que a tribulação chega ao seu termo, as duas testemunhas, que levarão um testemunho da parte de Deus em meio à apostasia, serão mortas pela Besta. Seus corpos jazerão nas ruas da cidade de Jerusalém literalmente por três dias e meio. Ap 11:7,8. Mas o triunfo do ímpio dura pouco (Jó20:5), e as duas testemunhas, após jazerem nas ruas de Jerusalém por três dias e meio, serão ressuscitadas. Um grande temor se apoderará de todos. Ap 11:11-12. Por volta dessa época “um rei, feroz de cara” se levantará de entre as nações maometanas ao norte e leste de Israel. Ele será perito em ciências ocultas e outros artifícios satânicos. Ele é denominado “Rei do Norte”. É provável que sua origem seja a Turquia. Dn 8:23,24.#3# O Rei do Norte (provavelmente com o auxílio de Gogue – Rússia – Dn 8:24) reunirá as nações do Oriente Médio para uma grande Confederação da qual ele será o líder. Ele convocará um imenso exército de duzentos milhões de pessoas.* Esse grupo de exércitos é o mesmo de Ap 16:12 onde são chamados de “reis do oriente”**. Seu intento será invadir o império da Besta e particularmente a terra de Israel. Ap 9:13-17 (Sexta Trombeta); Sl 83:1-8. [ Nota: *Alguns têm achado que isso se refira aos povos chineses que se gabam de serem capazes de dispor de um tal número de soldados prontos para batalha. Porém, os melhores expositores entendem ser essa a imensa Confederação das nações maometanas sob a liderança do Rei do Norte (Sl 83:1-8). Note que não se trata de reis “do oriente” (cf. Ap 16:12, Almeida Versão Corrigida), mas sim “que vem do oriente” (Almeida Versão Revisada) – “povos do lado oriental do Eufrates”#4#. Nas Escrituras a China é identificada como Sinim (Is 49:12) da qual se fala muito pouco. Outros têm argumentado que aqueles países maometanos não têm o número suficiente de pessoas para convocar um tamanho exército. Há pesquisas que demonstram que esses países já possuem cerca de 270 milhões em população (se forem incluídos o Afeganistão e o Paquistão, os quais são 99% Maometanos), com uma média de crescimento de cerca de 3% ao ano. Sabemos que esse imenso exército não atacará até chegar o fim dos 7 anos de tribulação. Se o Senhor viesse hoje (no arrebatamento), o número (somando-se sete anos de crescimento populacional) chegaria em torno de 325 milhões. A cada ano que o Senhor tardar em vir o número aumentará em cerca de 10 milhões. Também deve ser lembrado que há muçulmanos que encontram-se espalhados em outras terras, dos quais uma grande parte aparentemente retornará aos seus países de origem. Por exemplo, há mais turcos fora da Turquia do que no próprio país. Cerca de 42 milhões de turcos encontram-se na ex-União Soviética e há muito mais espalhados por outros lugares. A recente convulsão nos países comunistas provocou o despertamento de uma onda de nacionalismo turco e o desejo de estarem em sua terra natal. Quando um grupo grande como este for acrescentado à população total dessas nações, os números poderão se revelar bem maiores. Há ainda notícias que revelam a existência de infantarias de crianças, da idade de 6 anos em diante, que já estão sendo treinadas no Oriente Médio. A demanda exigirá que praticamente cada homem, mulher e criança seja engajado nos exércitos. Isto nos leva a acreditar que seria bem possível para tais países convocar um exército de dimensão tão monstruosa. Se a China estiver envolvida, pode ser que seja quando a Rússia (Gogue) vier no final trazendo consigo muitas outras nações.#5# ] [ Nota: ** Quando esses exércitos são mencionados nas Escrituras em oposição ao Rei do Sul (Egito), são vistos como os exércitos do Rei do Norte, mas quando são mencionados em oposição aos poderes ocidentais, são chamados de Reis do Oriente. Em Apocalipse são chamados de Reis do Oriente porque o Apocalipse revela a profecia principalmente do ponto de vista ocidental. Nos profetas do Antigo Testamento eles são vistos como os exércitos do Rei do Norte os assírios), pois as Escrituras do Antigo Testamento revelam a profecia do ponto de vista de Israel, para os quais os assírios são o grande inimigo.#6# ] O Rio Eufrates se secará preparando o caminho para que os exércitos reunidos pelo Rei do Norte entrem na terra de Israel. Ap 16:12 (Sexta Taça)

ler obra completa em https://www.vidasparacristo.com/acontecimentos-profeticos-bruce-anstey/

 

share

Recommended Posts

0 0 vote
Classificação de artigos
Subscribe
Notify of
guest
0 Comentários
Inline Feedbacks
Veja todos os comentários
0
Adoraria sua opinião, por favor, comente.x
()
x
WhatsApp chat