FUNDAMENTOS DA FÉ CRISTÃ (LIÇÃO 10 – O JULGAMENTO ETERNO )

FUNDAMENTOS DA FÉ CRISTÃ (LIÇÃO 10 – O JULGAMENTO ETERNO )
Vidas Para Cristo
Vidas Para Cristo

Últimos posts por Vidas Para Cristo (exibir todos)

O Julgamento Eterno

 

OBJETIVOS:

Ao completar este capítulo você será capaz de:

  • Escrever o Versículo-Chave de memória.
  • Definir a palavra “julgamento”.
  • Explicar porque o julgamento é necessário.
  • Identificar quem julgará no juízo final.
  • Identificar quem será julgado no juízo final.
  • Explicar os princípios governantes no juízo final.

 

VERSÍCULO-CHAVE:

 

“Porque o SENHOR é o nosso juiz, o SENHOR é o nosso legislador, o SENHOR é o nosso rei” (Isaías 33:22).

 

 

INTRODUÇÃO

O julgamento eterno é o último dos seis princípios básicos da fé Cristã.

No Antigo Testamento a palavra “julgamento” é usada de dois modos. Um refere-se aos estatutos, testemunhos, e leis de Deus. O outro diz respeito ao julgamento de Deus sobre os homens e as nações. O último significado é como a palavra “julgamento” é usada no Novo Testamento. É este significado que é usado neste capítulo.

 

DEFINIÇÃO

O termo “julgar” significa separar ou fazer diferença entre. Isto inclui levar a julgamento, examinar evidências, determinar culpa ou inocência, e decidir a pena para o delito. O julgamento eterno é o grande e último julgamento falado na Bíblia e que determina o destino final de todas as almas.

 

OS JUÍZES 

DEUS É O JUIZ: 

“Porque o SENHOR é o nosso juiz” (Isaías 32:22).

 

Deus julga o comportamento pecaminoso da humanidade. A verdadeira vontade de Deus não é julgar, mas sim que todos os homens venham a conhecer Jesus Cristo (João 3:17; 2 Pedro 3:9).

A vontade de Deus é que todos os homens se arrependam. Os que não se arrependerem serão julgados (Atos 17:30-31).

 

JESUS CRISTO:

Deus deu a Jesus a autoridade para julgar: 

“E o Pai a ninguém julga, mas ao Filho confiou todo julgamento. E lhe deu autoridade para julgar…” (João 5:22,27).   

 

OS SANTOS:

No julgamento final os crentes fiéis ajudarão a julgar o mundo:

“Ou não sabeis que os santos hão de julgar o mundo?” (1 Coríntios 6:2-3).

 

A palavra “santos” neste versículo significa todo verdadeiro crente. Eles ajudarão a julgar o “mundo” [os injustos].

 

A BASE DO JULGAMENTO

A base ou o padrão do julgamento pelo qual seremos julgados é a Palavra de Deus: 

“Se alguém ouvir as minhas palavras e não as guardar, eu não o julgo; porque eu não vim para julgar o mundo, e sim para salvá-lo. Quem me rejeita e não recebe as minhas palavras tem quem o julgue; a própria palavra que tenho preferido, essa o julgará no último dia” (João 12:47-48).

 

Não seremos julgados por padrões, crenças, ou tradições do homem. Não seremos julgados por bases de organizações ou regras denominacionais. A base pela qual seremos julgados está fixada na Palavra de Deus: 

“Pra sempre, ó SENHOR, está firmada a tua palavra no céu” (Salmos 119:89).

 

A RAZÃO PARA O JULGAMENTO 

A Bíblia revela que o julgamento é necessário por causa do pecado contra a lei de Deus, a maldade, a injustiça, a incredulidade, a transgressão, e as más ações. Embora sejam palavras diferentes, são todas palavras que se relacionam com o pecado:

PECADO CONTRA A LEI DE DEUS: 

“…todos os que com lei pecaram mediante lei serão julgados” (Romanos 2:12).

 

MALDADE: 

“Ora, os céus que agora existem e a terra, pela mesma palavra, têm sido entesourados para fogo, estando reservados para o Dia do juízo e destruição dos homens ímpios” (2 Pedro 3:7).

 

INJUSTIÇA: 

“Porque o Senhor sabe livrar da provação os piedosos e reservar, sob castigo, os injustos para o Dia do juízo” (2 Pedro 2:9).

 

INCREDULIDADE:

 

“Quem nele crê não é julgado; o que não crê já está julgado, porquanto não crê no nome do unigênito Filho de Deus” (João 3:18).

 

TRANSGRESSÃO: 

“Pois assim como, por uma só ofensa [transgressão] veio o juízo sobre todos os homens…”  (Romanos 5:18).

 

MÁS AÇÕES: 

“O julgamento é este: que a luz veio ao mundo, e os homens amaram mais as trevas do que a luz; porque as suas obras eram más” (João 3:19).

 

OS PRINCÍPIOS DO JULGAMENTO DIVINO

Os princípios terrenos de julgamento variam de nação para nação. Os padrões podem variar de Estado para Estado dentro da nação e de cidade para cidade. Os princípios terrenos de julgamento e punição variam porque as pessoas interpretam certos atos de diferentes modos. O mesmo ato interpretado como errado em uma cultura pode ser aceitável em outra. Por exemplo, matar uma vaca na América é visto como natural, onde a vaca é usada para alimento. Porém na Índia, a vaca é considerada sagrada por muitas pessoas.

O julgamento do homem varia de acordo com os padrões dos que julgam. Mas os princípios do julgamento de Deus não mudam. Deus julga…

 

COM BASE NA SUA PALAVRA: 

“Para sempre, ó SENHOR, está firmada a tua palavra no céu” (Salmos 119:89).

 

DE ACORDO COM O CONHECIMENTO:

Homens e nações serão julgados de acordo com o conhecimento de Deus que lhes foi dado. Jesus disse que alguns seriam julgados mais severamente dos que os da cidade de Sodoma, Gomorra, Nínive, Tiro, e Sidom. Estas eram cidades ímpias, mencionadas no Antigo Testamento, que Deus julgou e puniu.

A razão de Jesus pronunciar julgamento mais severo em algumas cidades no Novo Testamento foi porque estas cidades tinham mais conhecimento de Deus. O próprio Jesus tinha ministrado nestas cidades e executou obras poderosas de cura e libertação. Mesmo assim, as pessoas destas cidades não se arrependeram. Jesus  preveniu: 

“Ai de ti, Corazim! Ai de ti, Betsaida! Porque, se em Tiro e em Sidom se tivessem operado os milagres que em vós se fizeram, há muito que elas se teriam arrependido com pano de saco e cinza. E, contudo, vos digo: no Dia do juízo, haverá menos rigor para Tiro e Sidom do que para vós outras. Tu, Cafarnaum, elevar-te-ás, porventura, até ao céu? Descerás até ao inferno; porque, se em Sodoma se tivessem operado os milagres que em ti se fizeram, teria ela permanecido até ao dia de hoje. Digo-vos, porém, que menos rigor haverá, no Dia do juízo, para com a terra de Sodoma do que para contigo” (Mateus 11:21-24).

“Ninivitas se levantarão, no juízo, com esta geração e a condenarão; porque se arrependeram com a pregação de Jonas. E eis aqui está quem é maior do que Jonas” (Mateus 12:41).

 

Uma revelação geral de Deus é dada a todos os homens através do milagre da criação (Romanos 1:20).

Este entendimento geral de Deus dado a todos os homens através da criação é o padrão básico pelo qual os homens serão julgados. Os que recebem revelação adicional ao ouvir a Palavra de Deus serão julgados por seu grau mais elevado de conhecimento.

 

INDIVIDUALMENTE:

Cada pessoa será julgada individualmente: 

“A alma que pecar, essa morrerá; o filho não levará a iniqüidade do pai, nem o pai, a iniqüidade do filho; a justiça do justo ficará sobre ele, e a perversidade do perverso cairá sobre este” (Ezequiel 18:20).

 

O julgamento determinando o destino eterno não será baseado em grupos de pessoas. Será individual.

 

DE ACORDO COM A VERDADE:

Paulo escreveu:

“Bem sabemos que o juízo de Deus é segundo a verdade…” (Romanos 2:2).

 

COM BASE NA CONDUTA PESSOAL:

Cada um de nós ficará na presença do trono de Cristo e seremos julgados de acordo com nossas ações, ou de acordo com nossas obras (1 Coríntios 5:10; Romanos 2:6; 1 Pedro 1:17; Apocalipse 20:12).

Deus vê o coração, não a aparência externa (1 Samuel 16:7).

 

SEM PARCIALIDADE:

O julgamento eterno será sem parcialidade. Isto significa sem favor especial. As pessoas não serão julgadas com base em suas riquezas, posição social, nacionalidade, ou educação.

 

“…o Pai…que julga sem acepção de pessoas” (1 Pedro 1:17).

Fazer acepção de pessoas significa ser influenciado em julgamento por algum fator externo como aparência, relacionamento, posição, riqueza, etc.

O julgamento de Deus não é influenciado por nenhuma destas coisas:

“…porque o SENHOR não vê como vê o homem. O homem vê o exterior, porém o SENHOR, o coração” (1 Samuel 16:7).

 

DE ACORDO COM A LEI: 

“ …e todos os que com lei pecaram mediante lei serão julgados” (Romanos 2:12).

 

DE ACORDO COM A JUSTIÇA: 

“Ele Mesmo julga o mundo com justiça” (Salmos 9:8). 

“…julgará o mundo com justiça e os povos, consoante a sua fidelidade” (Salmos 96:13).

 

DE ACORDO COM OS ATOS E PENSAMENTOS: 

“No dia em que Deus, por meio de Cristo Jesus, julgar os segredos dos homens, de conformidade com o meu evangelho” (Romanos 2:16).

 

O TEMPO DO JULGAMENTO

A Bíblia indica que há julgamentos no passado, presente e futuro:

JULGAMENTO PASSADO:

A Bíblia é uma história do julgamento passado de Deus. No tempo de Adão e Eva ela registra o julgamento de Deus sobre as nações e sobre os indivíduos.

A Bíblia registra dois julgamentos especiais no passado que são importantes para os crentes.  São os julgamentos de Satanás e do mundo. Deus já julgou e penalizou a ambos.

 

Satanás E Seus Anjos:

Através da morte e ressurreição de Jesus Cristo, Deus decretou o julgamento final de Satanás:

“… porque o príncipe deste mundo [Satanás] já está julgado” (João 16:11).

 

“e, despojando os principados e as potestades [as forças de Satanás], [Jesus] publicamente os expôs ao desprezo, triunfando deles na cruz” (Colossenses 2:15).

 

Satanás já foi julgado por Deus. Ele tem atividade limitada até o seu castigo no lago de fogo no fim do mundo, mas já foi condenado como culpado. Os anjos de Satanás, que abandonaram suas posições originais no Céu como anjos de Deus para se juntarem em rebelião contra o Criador, também já estão condenados:

“E a anjos, os que não guardaram o seu estado original, mas abandonaram o seu próprio domicílio, ele tem guardado sobre trevas, em algemas eternas, para o juízo do grande Dia” (Judas 6).

 

O Mundo:

Jesus disse:

 “Chegou o momento de ser julgado este mundo…” (João 12:31).

 

Por estar arruinado pela presença do pecado, o mundo físico já está condenado pelo julgamento de Deus. A Bíblia diz o mundo será destruído por fogo: 

“Virá, entretanto, como ladrão, o Dia do Senhor, no qual os céus passarão com estrepitoso estrondo, e os elementos se desfarão abrasados, também a terra e as obras que nela existem serão atingidas” (2 Pedro 3:10).

 

JULGAMENTO PRESENTE:

Há um julgamento que segue continuamente. Todos os homens são, presentemente, julgados como pecadores ou como justos perante Deus. O julgamento presente do homem está baseado no fato de ter ou não aceitado a Jesus Cristo como Salvador: 

“Quem nele crê não é julgado; o que não crê já está julgado, porquanto não crê no nome do unigênito Filho de Deus” (João 3:18).

 

O julgamento presente de Deus sobre os descrentes é pela demonstração de Sua ira porque eles deteram a verdade: 

“A ira de Deus se revela do céu contra toda impiedade e perversão dos homens que detêm a verdade pela justiça” (Romanos 1:18).

 

O julgamento presente de Deus sobre os crentes é em amor. Ele os corrige quando eles estão errados: 

“E estais esquecidos da exortação que, como a filhos, discorre convosco: Filho meu, não menosprezes a correção que vem do Senhor, nem desmaies quando por ele és reprovado; porque o Senhor corrige a quem ama e açoita a todo filho a quem recebe” (Hebreus 12:5,6).

 

Como um pai natural que corrige seus filhos, Deus também julga o comportamento dos Seus filhos. Se eles pecam, Deus os corrige em amor como um pai faz a seu filho. O castigo de Deus [correção]  sobre Seus filhos é para um propósito específico: 

“Toda disciplina, com efeito, no momento não parece ser motivo de alegria, mas de tristeza; ao depois, entretanto, produz fruto pacífico aos que têm sido por ela exercitados, fruto de justiça” (Hebreus 12:11).

 

JULGAMENTO FUTURO:

É o julgamento futuro ao qual Paulo se refere em Hebreus 6 quando ele fala do “julgamento eterno”. O julgamento eterno acontece após a morte:

 

“E, assim como aos homens está ordenado morrerem um só vez, vindo, depois disto, o juízo…” (Hebreus 9:27).

 

Como você aprendeu em lições anteriores, após uma pessoa morrer, é imediatamente determinado se ela entra ou não na presença de Deus. Os destinos dos justos e dos injustos são diferentes após a morte.  Mas o julgamento final confirmando seus destinos eternos ocorre depois do fim do mundo e da ressurreição (2 Timóteo 4:1; Judas 14,15).

 

OS LUGARES DO JULGAMENTO FINAL

Há três lugares onde o julgamento final ocorrerá: 

O TRIBUNAL DE CRISTO:

Os julgados aqui serão os verdadeiros crentes: 

“…pois todos compareceremos perante o tribunal de Deus” (Romanos 14:10). 

“Porque importa que todos nós compareçamos perante o tribunal de Cristo…” (2 Coríntios 5:10).

 

O TRONO DE SUA GLÓRIA:

O segundo local de julgamento é chamado “o trono da glória de Cristo”.  Os julgados aqui serão os que permanecerão na terra durante a Tribulação. Os justos serão ressuscitados e julgados antes de Jesus estabelecer o reino milenar na terra.

 

“Vi também tronos, e nestes sentaram-se aqueles aos quais foi dada autoridade de julgar. Vi ainda as almas dos decapitados por causa do testemunho de Jesus, bem como por causa da palavra de Deus, tantos quantos não adoraram a besta, nem tampouco a sua imagem, e não receberam a marca na fronte e na mão; e viveram e reinaram com Cristo durante mil anos. Os restantes dos mortos não reviveram até que se completassem os mil anos” (Apocalipse 20:4-5a).

 

O GRANDE TRONO BRANCO:

O último local de julgamento é chamado de o “Grande Trono Branco”. Os julgados aqui são os mortos que ressuscitarão no final do Milênio. (Esta é a segunda ressurreição chamada de a ressurreição dos injustos).

O Julgamento do Grande Trono Branco está registrado em Apocalipse 20:11-15. Os injustos serão julgados e por causa de seus pecados serão lançados no lago de fogo junto com Satanás e seus anjos.

 

O JULGAMENTO ETERNO

Haverá apenas duas divisões básicas de pessoas que serão julgadas nos julgamentos finais: Os crentes e os descrentes.

 

CRENTES:

Os Crentes serão julgados por suas obras e recompensados de acordo com elas (Romanos 14:12; 2 Coríntios 5:10).

Os crentes serão julgados conforme tenham construído suas vidas no fundamento da Palavra de Deus (1 Coríntios 3:12-15).

No mundo natural, a madeira e o feno, crescem sobre a terra. Eles queimam facilmente. Eles são exemplos de obras feitas pelos crentes com o fim de serem vistas pelo homem. O motivo para estas obras é errado.

O ouro e a prata não são destruídos pelo fogo. No mundo natural, estas substâncias desenvolvem-se sob a terra sem serem vistas pelo homem. Elas são um exemplo de obras feitas com um motivo justo, não são feitas para serem vistas e elogiadas pelo homem. São obras que são valorizadas no reino de Deus porque foram feitas com o motivo correto.

As obras dos verdadeiros crentes serão julgadas com base na obediência. A parábola dos talentos em Mateus 25 e a parábola das dez minas em Lucas 19 foram contadas por Jesus para ilustrar esta verdade.

Em ambas as parábolas, os empregados foram julgados com base no que eles tinham feito com aquilo que eles haviam recebido. Eles haviam sido recomendados a fazerem um bom investimento com o que receberam. Os empregados que foram desobedientes foram julgados infiéis.

Exatamente como estas parábolas, nosso Mestre tem nos dado uma responsabilidade, conhecida como a Grande Comissão:

 

“Ide, portanto, fazei discípulos de todas as nações, batizando-os em nome do Pai, e do Filho, e do Espírito Santo; ensinando-os a guardar todas as coisas que vos tenho ordenado. E eis que estou convosco todos os dias até à consumação do século” (Mateus 28:19-20).

 

Devemos pregar a mensagem do Evangelho através do mundo. Quando obedecemos esta ordem, estamos fazendo um bom investimento no que Deus tem-nos dado.

Alguns crentes têm maiores responsabilidades do que outros nesta comissão. Alguns são chamados para pastores, evangelistas, mestres, etc. Mas todo o crente tem alguma responsabilidade de alcançar o mundo com o Evangelho.

Os crentes serão julgados com base em sua lealdade à responsabilidade que Deus tem dado a cada um (1 Coríntios 4:2).

Os crentes não serão julgados baseados na habilidade, educação, ou dons espirituais.  Eles serão julgados com base na obediência e lealdade com relação ao que Deus tem dado a eles. O julgamento dos verdadeiros crentes não é para condenação. Quer dizer, o verdadeiro crente não pode ser condenado ao castigo eterno. Ao aceitar a Cristo, ele já passa da morte espiritual para a vida eterna (João 5:24).

Um crente fiel é aquele que se arrependeu de seus pecados e demonstrou fé para com Deus ao aceitar Jesus Cristo como Salvador pessoal. É alguém que tem se tornado e vivido como uma nova criatura em Jesus Cristo. Paulo confirmou: 

“Agora, pois, já nenhuma condenação há para os estão em Cristo Jesus” (Romanos 8:1).

 

Quando um pecador vem até Jesus seu passado de pecados é esquecido por Deus.  Quando um crente peca, ele precisa apenas se arrepender e confessar seu pecado e Deus o perdoará: 

“Se confessarmos os nossos pecados, ele [Deus] é fiel e justo para nos perdoar os pecados e nos purificar de toda injustiça” (1 João 1:9).

 

DESCRENTES:

Os injustos serão julgados e punidos pelo pecado. Há um livro chamado de “o livro da vida” no qual estão escritos os nomes dos que se arrependeram, aceitaram Jesus Cristo, e tornaram-se crentes fieis. Aqueles que O rejeitaram serão julgados e condenados para o sofrimento eterno. Seus nomes não estão escritos no livro da vida (Apocalipse 20:15).

É importante entender que você precisa viver como uma nova criatura em Jesus após a conversão. É possível ser salvo e, por continuar em pecado, retornar a vida antiga. Alguns crêem que, com base em Êxodo 32:33, é possível ter o nome apagado do livro da vida por causa do pecado (Êxodo 32:33).

Seja como for, é muito importante aprender a viver uma vida santificada. Ao superar o pecado em sua vida, você recebe a garantia de Deus que seu nome não será riscado do livro da vida (Apocalipse 3:5)

 

O DESTINO DOS JUSTOS

 

Os justos estão destinados à vida eterna na presença de Deus. A presença de Deus é chamada de Paraíso. Na Bíblia ela é descrita por vários nomes:

A CASA DO PAI:

Jesus fala sobre “a casa de Meu Pai” em João 14:2.

 

UMA PÁTRIA CELESTIAL:

A Bíblia compara o Paraíso a um país para o qual estamos viajando como Israel viajou para a Terra Prometida (Hebreus 11:16).

 

UMA CIDADE:

O Paraíso é comparado a uma cidade (Apocalipse21:2).

A Bíblia revela algumas coisas maravilhosas sobre o Paraíso. É um lugar de:

 

SANTIDADE: Apocalipse 21:27

 

ALEGRIA: Apocalipse 21:4

 

BELEZA: Apocalipse 21:18

 

TRABALHO: Apocalipse 7:15

 

REINAR COM CRISTO:

 

Jesus prometeu…

“Ao vencedor, dar-lhe-ei sentar-se comigo no meu trono, assim como também eu venci e me sentei com meu Pai no seu trono” (Apocalipse 3:21).

 

 ADORAÇÃO:

A Bíblia registra que no Paraíso…

 

“…os anciãos prostraram-se e adoraram” (Apocalipse 5:14).

 

LUZ E GLÓRIA: 

“A cidade não precisa nem do sol, nem da lua, para lhe darem claridade, pois a glória de Deus a iluminou, e o Cordeiro é a sua lâmpada” (Apocalipse 21:23).

 

UM LUGAR DE NOVAS PERSPECTIVAS:

Estar no Paraíso nos dará uma nova perspectiva sobre todas as coisas (Isaías 65:17).

 

A HABITAÇÃO DE DEUS:

 

“Então, ouvi grande voz vinda do trono, dizendo: Eis o tabernáculo de Deus com os homens. Deus habitará com eles. Eles serão povos de Deus, e Deus mesmo estará com eles” (Apocalipse 21:3).

 

O DESTINO ETERNO DOS INJUSTOS

O inferno é o destino eterno do ímpio. O inferno é um lugar de:

SOFRIMENTO EXTREMOApocalipse 20:10. 

MEMÓRIA REMORSO: Lucas 16:23,25. 

PEDIDO NÃO ATENDIDO: Lucas 16:24. 

DESPREZO E VERGONHA: Daniel 12:2. 

MÁS COMPANHIAS: Apocalipse 21:8. 

FALTA DE ESPERANÇA: Provérbios 11:7. 

PUNIÇÃO ETERNA: Mateus 25:41.

 

A punição para o ímpio é eterna. A mesma palavra que é usada na Bíblia para vida eterna (João 3:15) e Rei eterno (1 Timóteo 1:17) é usada para descrever o juízo [julgamento] eterno (Hebreus 6:2). Se uma destas é temporária, então as outras duas teriam que ser temporárias.

Não há como escapar da conclusão de que se Deus é eterno e a vida eterna é eterna, então a punição no inferno é eterna. Deus não manda pessoas para o inferno. O homem escolhe ir para lá ao rejeitar Jesus Cristo e viver uma vida pecaminosa. Deus tem providenciado um caminho para escapar da punição eterna através do plano de salvação.  Ele não deseja que ninguém pereça.

 

COMO DEVEMOS VIVER NOSSAS VIDAS?

Como a doutrina do juízo final afeta nossas vidas como crentes?

Pedro tem a resposta para esta pergunta:

 “Visto que todas essas coisas hão de ser assim desfeitas, deveis ser tais como os que vivem em santo procedimento e piedade” (2 Pedro 3:11,14).

 

Entender o juízo eterno resulta em maturidade espiritual na vida do crente. Este é o assunto do próximo capítulo.

 


TESTE

 

  1. Quais são os dois modos em que se usa a palavra “julgamento” no Antigo Testamento?

_________________________________________________________________________________________

_________________________________________________________________________________________

_________________________________________________________________________________________

 

  1. Qual é o significado do termo “julgar”?

_________________________________________________________________________________________

_________________________________________________________________________________________

_________________________________________________________________________________________

 

  1. Por quê o julgamento é necessário?

_________________________________________________________________________________________

_________________________________________________________________________________________

_________________________________________________________________________________________

 

  1. Quem julgará no momento do juízo eterno?

_________________________________________________________________________________________

_________________________________________________________________________________________

_________________________________________________________________________________________

 

  1. Quem será julgado?

_________________________________________________________________________________________

_________________________________________________________________________________________

_________________________________________________________________________________________

 

  1. Quais são os princípios para o julgamento?

_________________________________________________________________________________________

_________________________________________________________________________________________

_________________________________________________________________________________________

 

  1. Escreva o Versículo-Chave de memória.

_________________________________________________________________________________________

_________________________________________________________________________________________

_________________________________________________________________________________________

 

  1. Escreva V para VERDADEIRO e F para FALSO.

a._____ Há julgamento pata todas os tempos.

b._____ Há um julgamento reservado para uma tempo especial no futuro.

c._____ A Bíblia não diz onde o julgamento no futuro ocorrerá.

 


 

PARA ESTUDO ADICIONAL

Este Capítulo tem apresentado o assunto do julgamento como ensinado na Bíblia. Para  aumentar o conhecimento sobre este assunto continue seu estudo sobre o julgamento usando o seguinte esboço:

JULGAMENTO É UM ATRIBUTO (QUALIDADE) DE DEUS

Salmos 89:14; 97:2; 99:1-5; Isaías 28:5-6; 30:18; 61:8;  Daniel 4:37 

JULGAMENTO É UM ATRIBUTO DE JESUS

Salmos72:2; Isaías 9:7; 11:1-5; João 5:30; 8:15-16,26

 

PROPÓSITOS DO JULGAMENTO DE DEUS

Dar vida: Levítico 18:4-5; Neemias 9:29; Salmos 119:149,156

Redimir Seu povo:  Êxodo 6:6; 7:4; Isaías 1:27

Edificar:  1 Crônicas 28:7;  Salmos 37:28; Provérbios 2:8;

Castigar [corrigir]:  Salmos 119:75;  Jeremias 10:24; Habacuque 1:12 Ajudar Seu povo:  Salmos 76:8-9; 119:175

 

AS BÊNÇÃOS DO JULGAMENTO DE DEUS

Confortar:  Salmos 119:52

Recompensar:  Salmos 58:11

Instrução e justiça:  Isaías 26:8-9

 

PUNIÇÕES POR NÃO RESPONDER A SEU JULGAMENTO

Estão listados em Ezequiel 5:6-17; 11:11-12; 14:21; Malaquias 2:1-4; 3:1-6

 

A NATUREZA DOS JULGAMENTOS DE DEUS

  • Justo:  Deuteronômio 4:8; Salmos 19:9; 119:137; Jeremias 11:20; 2 Tessalonicenses
  • 1:4-6; 1 Pedro 2:23; Apocalipse 15:4; 16:7; 19:2,11
  • Baseado em amor:  Salmos 33:5
  • Justo e Verdadeiro:  Salmos 111:7;  Provérbios 2:9;  Jeremias 4:2; João 8:15-16
  • Eterno:  Salmos 119:160
  • Serão manifestados: Apocalipse 15:4

 

A QUEM DEUS JULGA

  • Todas as pessoas:  Salmos 7:8; 9:7-8; 96:10; Hebreus 12:23; Judas 15-16 Os que perseguem os justos:  Salmos 119:84
  • O justo:  Salmos 7:11
  • O Zombador:  Provérbios 19:29
  • Todo homem:  Provérbios 29:26
  • As nações:  Isaías 2:4
  • Líderes:  Isaías 3:13-14
  • O ímpio:  Deuteronômio 7:10-11; Jeremias 1:16; Hebreus 13:4;  Judas 15-16
  • O mundo:  João 9:39; 12:31
  • O príncipe deste mundo [Satanás]:  João 16:11; 12:31
  • Seu povo:  Hebreus 10:30
  • Os mestres:  Tiago 3:1
  • A igreja [a casa de Deus]:  1 Peter 4:17
  • O gentio:  Ezequiel39:21

 

COMO DEUS JULGA

  • Através de Jesus Cristo :  João 5:22,27
  • Pelo Espírito Santo:  João 16:11; Ezequiel 36:27
  • De acordo com a Palavra de Deus:  João 12:48
  • De acordo com a obra de cada homem:  1 Pedro 1:17

 

NOSSA ATITUDE EM RELAÇÃO AOS JUÍZOS DE DEUS

Devemos:

  • Ensiná-los:  Salmos 37:30
  • Observá-los:  Deuteronômio 11:32
  • Glorificá-los:  Salmos 48:11; 97:8; 119:7,62,164
  • Buscá-los:  Salmos 119:20
  • Colocá-los diante de nós:  Salmos 119:30
  • Esperar neles:  Salmos 119:43
  • Declara-los: Salmos 119:13
  • Não abandoná-los: Salmos 119:102
  • Conhecê-los: Salmos 35:23
  • Pregá-los: Atos 24:25

 

OS PROPÓSITOS DO JULGAMENTO PRESENTE DE DEUS

Seus propósitos ao corrigir os crentes são:

  • Fazer-nos santos: Hebreus 12:10
  • Trazer retidão à nossas vidas: Hebreus 12:11
  • Trazer vida: Hebreus 12:9; Provérbios 15:31
  • Prepara-nos para a direção do Espírito: Provérbios 1:23
  • Trazer honra: Provérbios 13:18
  • Trazer sabedoria: Provérbios 15:5,32
  • Ensinar o temor de Deus: Provérbios 15:33
  • Aperfeiçoar-nos: Colossenses 1:28; 2 Timóteo 3:16-17
  • Ensinar-nos a paciência: 1 Pedro 2:20
  • Evitar a condenação: 1 Coríntios 11:32
  • Trazer arrependimento: Apocalipse 3:19; Romanos 2:4 Corrigir-nos: Jeremias 10:24

 

AS RAZÕES PARA O CASTIGO

Pecado e malícia: Jeremias 2:19; João 3:20; 16:8; 2 Pedro 2:16 Erros: 1 Pedro 2:20

Incredulidade: Romanos 11:20

Desobediência: Lucas 12:47-48

 

COMO EVITAR O CASTIGO

1 Coríntios 11:31-32; Romanos 11:22; Filipenses 2:12-16

OS NÍVEIS DO CASTIGO:

Deus tem um padrão para o castigo. Ele passa pela repreensão, que é uma simples forma de castigo, até aos mais severos castigos. (Hebreus 12:11):

REPREENSÃO:

Deus nos reprova pelos erros em nossas vidas.  Isaías 11:4; Salmos 50:21; 141:5; Provérbios 1:23; Efésios 5:13; 2 Timóteo 3:16

IRA:

Após sermos repreendidos, se persistirmos em nossos pecados e recusarmos a correção de Deus, então Sua ira virá sobre nós. Romanos 2:8-9.

AFLIÇÃO:

A ira de Deus pode ser revelada através da aflição. Pode ser financeira, material, ou física.  (Isto não quer dizer que toda aflição é julgamento de Deus.) Romanos 2:9, Salmos 119:75; Deuteronômio 28:15-47; Levítico 26:14-39; Amós 4:6-13.

REJEIÇÃO:

Este é o último degrau do julgamento de Deus quando o castigo não resulta em arrependimento.  Hebreus 6:4-6; 10:26-31; Jeremias 14:11-12; 2 Pedro 2:20; 1 João 5:16; Provérbios 1:25-32; 5:1-23; 15:10; 29:1.

OS RESULTADOS DO CASTIGO

O objetivo de Deus em castigar é nos fazer retornar a Ele: Oséias 6:1

share

Deixe um Comentário...